sábado, 21 de dezembro de 2013

7 maneiras de acionar o kick start

Uma das coisas que mais me atraem nas velhotas é a possibilidade de acionar a partida com o kick. É bastante funcional e quebra um galhão quando sua bateria já dá sinais de cansaço, ou seu motor de partida de mais de 40 anos já não é tão confiável assim.

O kick é uma das razões de minha preferência pelas Harleys pré-70.
Mas, uma curiosidade à parte é a forma como cada um aciona o kick de sua moto. Certamente, questões como estilo, escola, peso e agilidade do biker fazem toda diferença. Mas além dessas questões, acho que o que predomina na hora de pedalar é o quesito conforto.

Separei aqui sete formas de acionar o kick start.


Esta da foto acima mostra como alguns canhotos gostam de acionar o pedal que fica à direita da moto.



Nas duas fotos acima, o banco é utilizado para apoiar o joelho esquerdo, enquanto a perna direita faz o esforço de acionar o kick. Neste caso, reduz-se a participação do corpo na força de acionamento do pedal. 


Esta é uma terceira possibilidade, apoiando todo o peso do corpo sobre a perna direita, descendo todo o conjunto juntamente com o pedal. Neste caso, a perna esquerda fica junto ao corpo e desce verticalmente.
É a  minha forma preferida de acionar o kick.



Nessas duas aí de cima, tem-se uma variação da anterior. A diferença é que a perna esquerda dá um coice para trás, dando o impulso necessário à perna direita no acionamento do pedal.


 Esta é a quinta forma de acionar o kick start. As pernas ficam uma de cada lado da moto, inclinando-a levemente para a esquerda e deixando todo o peso sobre esta perna. A perna direita fica, assim, livre para acionar o pedal.




Estas duas acima são uma variação da anterior. A diferença é que, ao invés de apoiar o peso da moto sobre sua perna esquerda, você o faz no cavalete central. Óbvio que esta sexta possibilidade só existe para motos dotadas deste cavalete.


Quando só se pode contar com o descanso lateral, tem-se mais esta possibilidade de kick starting.

O pito na boca não é nada. É só vício mesmo.

Nenhum comentário: