terça-feira, 14 de maio de 2013

Habla!

Gostaria de dizer algumas coisas sobre o que aconteceu no dia 31/03/1964 e nos anos que se seguiram. Porque concluo, diante do que ouço de pessoas em quem confio intelectualmente, que há algo muito errado na forma como a história é contada.

Nada tão absurdo, considerando as balelas que ouvimos sobre o "descobrimento" do Brasil ou a forma como as pessoas fazem vistas grossas para as mortes e as torturas perpetradas pela Igreja Católica durante séculos. Mas, ainda assim, simplesmente não entendo como é possível que esse assunto seja tão parcial e levianamente abordado pelos que viveram aqueles tempos e, o que é pior, pelos que não viveram.

Nenhuma pessoa dotada de mediano senso crítico vai negar que houve excessos por parte do Governo Militar. Nesta seara, os fatos falam por si e por mais que se tente vislumbrar certos aspectos sob um prisma eufemístico, tortura e morte são realidades que emergem de maneira inegável.

Ocorre que é preciso contextualizar as coisas. Porque analisar fatos extirpados do substrato histórico-cultural em meio ao qual eles foram forjados é um equívoco dialético (para os ignorantes) e uma desonestidade intelectual (para os que conhecem os ditames do raciocínio lógico). E o que se faz com relação aos Governos Militares do Brasil é justamente ignorar o contexto histórico e analisar seus atos conforme o contexto que melhor serve ao propósito de denegri-los.

Poucos lembram da Guerra Fria, por exemplo. De como o mundo era polarizado e de quão real era a possibilidade de uma investida comunista em território nacional. Basta lembrar de Jango e Janio; da visita à China; da condecoração de Guevara, este, um assassino cuja empatia pessoal abafa sua natureza implacável diante dos inimigos.

Nada contra o Comunismo, diga-se de passagem, como filosofia. Mas creio que seja desnecessário tecer maiores comentários sobre o grau de autoritarismo e repressão vivido por aqueles que vivem sob este sistema. Porque algumas pessoas adoram Cuba, idolatram Guevara e celebram Chavez, até. Mas esquecem do rastro de sangue deixado por todos eles; esquecem as mazelas que afligem a todos os que ousam insurgir-se contra esse sistema tão "justo e igualitário". Tão belo e perfeito que milhares de retirantes aventuram-se todos os anos em balsas em meio a tempestades e tubarões na tentativa de conseguirem uma vida melhor.

A grande verdade é que o golpe ou revolução de 1964, chame como queira, talvez tenha livrado seus pais, avós, tios e até você mesmo e sua família de viver essa realidade. E digo talvez, porque jamais saberemos se isso, de fato, iria acontecer. Porém, na dúvida, respeito a todos os que não esperaram sentados para ver o Brasil virar uma Cuba.

Respeito, da mesma forma, quem pegou em armas para lutar contra o Governo Militar. Tendo a ver nobreza nos que renunciam ao conforto pessoal em nome de um ideal. Respeito, honestamente.

Mas não respeito a forma como esses "guerreiros" tratam o conflito. E respeito menos ainda quem os trata como heróis e os militares como vilões. É uma simplificação que as pessoas costumam fazer. Fruto da forma dual como somos educados a raciocinar desde pequenos. Ainda assim, equivocada e preconceituosa.

Numa guerra não há heróis. Menos ainda quando ela é travada entre irmãos. E uma coisa que se aprende na caserna é respeitar o inimigo. Respeitar o inimigo não é deixar, por vezes, de puxar o gatilho. Respeitar o inimigo é separar o guerreiro do homem. É tratar com nobreza e fidalguia os que tentam te matar, tão logo a luta esteja acabada. É saber que as ações tomadas em um contexto de guerra não obedecem à ética do dia-a-dia. Elas obedecem a uma lógica excepcional; do estado de necessidade, da missão acima do indivíduo, do evitar o mal maior.

Os grandes chefes militares não permanecem inimigos a vida inteira. Mesmo os que se enfrentam em sangrentas batalhas. E normalmente se encontram após o conflito, trocando suas espadas como sinal de respeito. São vários os exemplos nesse sentido ao longo da história. Aconteceu na Guerra de Secessão, na Segunda Guerra Mundial, no Vietnã, para pegar exemplos mais conhecidos. A verdade é que existe entre os grandes Generais uma relação de admiração.

A esquerda brasileira, por outro lado, adora tratar os seus guerrilheiros como heróis. Guerreiros que pegaram em armas contra a opressão; que sequestraram, explodiram e mataram em nome do seu ideal.

E aí eu pergunto: os crimes deles são menos importantes que os praticados pelos militares? O sangue dos soldados que tombaram é menos vermelho do que o dos guerrilheiros? Ações equivocadas de um lado desnaturam o caráter nebuloso das ações praticadas pelo outro? Penso que não. E vou além.

A lei de Anistia é um perfeito exemplo da nobreza que me referi anteriormente. Porque o lado vencedor (sim, quem fica 20 anos no poder e sai porque quer, definitivamente é o lado vencedor) concedeu perdão amplo e irrestrito a todos os que participaram da luta armada. De lado a lado. Sem restrições. Como deve ser entre cavalheiros. E por pressão de Figueiredo, ressalto, desde já. Porque havia correntes pressionando por uma anistia mitigada.

Esse respeito, entretanto. Só existiu de um lado. Porque a esquerda, amargurada pela derrota e pela pequenez moral de seus líderes nada mais fez nos anos que se seguiram, do que pisar na memória de suas Forças Armadas. E assim seguem fazendo. Jogando na lama a honra dos que tombaram por este país nos campos de batalha. E contaminando a maneira de pensar daqueles que cresceram ouvindo as tolices ditas pelos nossos comunistas. Comunistas que amam Cuba e Fidel, mas que moram nas suas coberturas e dirigem seus carrões. 

Bem diferente dos nossos militares, diga-se de passagem.

Graças a eles, nossa juventude sente repulsa pela autoridade. Acha bonito jogar pedras na Polícia e acha que qualquer ato de disciplina encerra um viés repressivo e antilibertário. É uma total inversão de valores. O que explica, de qualquer forma, a maneira como tratamos os professores e os idosos no Brasil.

Então, neste 31 de março, celebrarei aqueles que se levantaram contra o mal iminente. Celebrarei os que serviram à Pátria com honra e abnegação. Celebrarei os que honraram suas estrelas e divisas e não deixaram nosso país cair nas mãos da escória moral que, anos depois, o povo brasileiro resolveu por bem colocar no Poder.

Bem feito. Cada povo tem os políticos que merece.

Se você não gosta das Forças Armadas porque elas torturaram e mataram, então, seja, pelo menos, coerente. E passe a nutrir o mesmo dissabor pela corja que explodiu sequestrou e justiçou, do outro lado. Mas tenha certeza que, se um dia for necessário sacrificar a vida para defender nosso território e nossas instituições, você só verá um desses lados ter honradez para fazê-lo.

Autoria desconhecida.
Contribuição do Campos.

6 comentários:

Tatá disse...

Cara, sei que não vou fazer a menor falta mas gostava muito dos seus posts, principalmente pela didática dos mesmos, mas eu acho lamentável que você tenha aderido a essa onda de defender o regime militar, e paro por aqui de acompanhar seu blog.
Não houve guerra no Brasil, o que houve foi uma ditadura que prendia, torturava e ocultava cadáveres. Os que eram contra os militares pagaram pelos seus crimes: com prisão, com a vida, sendo torturados ou exilados. Os militares que perpetraram esses crimes ficaram livres. Onde está a justiça ou nobreza disso?
Um abraço e boa sorte com a Dercy.

Pedrão disse...

Bem, não se trata exatamente de defender o regime militar e a ditadura, mas compreendo sua posição.
Valeu!

Andre disse...

Curti o texto e toda história tem 2 lados, 2 versões. O texto e' explicito nisso e deixa uma reflexão a ser feita. Muito bom!

Pedrão disse...

A meu ver, o autor deixou clara a proposta do texto: remeter os papéis de cada ator ao contexto histórico da década de 60.

Essa nossa tranquilidade de hoje mascara o quadro louco de disputas da época.

A atmosfera política beirava a paranóia, com os EUA apoiando a manutenção do capitalismo e a URSS financiando e insuflando o comunismo em plena Guerra Fria.

Jango apoiava a revolta dos sargentos e as lutas populares mas há evidências de que Fidel também queria derrubá-lo. Acampamentos de guerrilha cubana foram estourados em Goiás. Era uma época efervescente, insegura e instável.

Brizola, cunhado de Jango, atazanava qualquer um, e uma de suas principais propostas era fazer outra constituição (a seus moldes, claro).

É bom lembrar que, poucos anos antes, Jango havia proposto dobrar o salário mínimo como Ministro do Trabalho de Getúlio, levantando a ira do empresariado e dos militares.

Lacerda sofreu uma tentativa de homicídio que resultou na morte de um militar que fazia sua segurança e os indícios apontavam para o capanga do próprio Getúlio.

Tivemos até um navio (Almirante Tamandaré) com o Presidente Luz e Carlos Lacerda embarcados fundeado na Baía de Guanabara foi alvo de tiros de canhão dos fortes.

Isso para não falar do General Lott querendo derrubar o Presidente e o Jânio em SP armando as tropas estaduais para a resistência.

Amigos, o pau comia solto. Radicalização total de parte a parte. Briga feia. No meio dessa zona toda... POWWWW! Regime Militar, Ordem e Progresso, Ame-o ou Deixe-o etc etc etc.

E que fique claro: nada justifica as mortes, torturas e prisões ilegais de um lado.

Idem para os roubos a bancos, sequestros e assassinatos covardes da outra parte.

Anônimo disse...

Pedrão, parabéns pelo texto!

Imparcial e verdadeiro. É deste tipo de aula que nossas crianças precisam nas escolas.

Abraço, João.

Anônimo disse...

Boa Pedrão!!