quarta-feira, 13 de março de 2013

Regulagem do ponto da shovel

Depois de desmontar o distribuidor, chegou a hora de colocar ele no lugar e ajustar o ponto.

No caso das panshovel, o ponto de ignição correto se dá quando o volante está a 35 graus do PMS. Para facilitar, os motores vem com uma marca no volante, que deve coincidir com a posição do platinado em relação ao rotor do distribuidor. Desta forma, quando o volante atinge esta marca, o platinado se abre e permite o centelhamento.

Mas, como nossa gasolina tem 20% de álcool (deve aumentar para 25% em maio/2013), talvez seja preciso adiantar um pouco o ponto por causa do menor poder calorífero da mistura. Isso veremos depois da manutenção e do ponto básico.



Primeiro, tirei fora o platinado e passei uma lixa leve nos contatos. Este tipo de platinado tem a bigorna e o martelo em peças separadas.


O rotor também mereceu uma lixa fina e uma camada de graxa para deslizar melhor.


Depois, fiz o ajuste da abertura do platinado. Este ajuste se faz casando a marca do rotor com o batente do platinado, que coincide com a maior abertura do contato.

A recomendação aqui é de 0,02" ou 0,51 mm. Com um calibre de lâminas, fiz o ajuste correto.


Com as varetas aparentes, fiz o giro da roda engrenada para fechar a válvula de admissão do cilindro dianteiro. Este é o momento de achar a marca do volante que indica os 35 graus de avanço.


Sozinho, tudo é mais difícil. Girar a roda e observar a janela de inspeção para achar a marca foi osso. Mas deu certo. Agora é sincronizar esta marca dos 35 graus de avanço com o momento de abertura do platinado.


Para descobrir o momento exato da abertura do platinado, usei a lâmpada da lanterna da Dyna para montar uma gambiarra com uns fios que tinha guardado. Antes que algum malacabado pergunte, quando o contato do platinado se separa, a lâmpada se apaga.

Reapertei o distribuidor e pronto! Tá no ponto.

2 comentários:

wolfmann disse...

lembro do mecânico que me ensinou a mexer nos motores boxers VW em 75 que achava o ponto de ouvido...

Grande trabalho, Pedrão!

Pedrão disse...

Será muita sorte se a moto estiver no ponto certo. O ponto da centelha envolve a qualidade e o tipo de combustível, a bobina, os cabos e as velas, além da fadiga de todas as peças envolvidas, engrenagens, platinado, rotor etc.

Por isso, o ponto certo tirado no ouvido ainda continua sendo o mais confiável. E hoje, nos tempos de IE, está cada vez mais difícil achar um profissional com esse talento.

Valeu Velhinho.