quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Impressões sobre o Bell Custom 500

Tem uma galera encomendando este capacete, com um belo design old school, cores e grafismos de bom gosto e, acima de tudo, com promessa de boa proteção para a cabeça, com certificação DOT, estranhamente não aceita no lisarB. (aqui só vale INMETRO) (???)

De fato, você já sente a diferença logo quando tira ele da caixa. Bem embalado, com etiquetas e proteções personalizadas, um porta capacete de feltro vermelho e um manual de instruções de boa qualidade.

Mas o melhor é a sensação de encaixe na cabeça. Ele fica bem ajustado e sem espaços internos, amoldando-se perfeitamente à cabeça. O tecido interno é costurado e parece-se com um cetim, só que mais resistente e grosso. As laterais e bordas são de couro macio e agradável ao tato.

Comparado ao meu da JP Helmet ele é gigante e pesado. Mas também, qualquer coisa é gigante e pesada perto do JP que tem uma estrutura de isopor bem menos espessa. Por isso, comparar capacete é foda. Tudo depende da experiência anterior. Há relatos de gente que usava capacete fechado que achou o Bell uma pena de tão leve.

À esquerda o JP e à direita, o Bell Custom 500

A cinta jugular de fechamento do capacete também é muito boa. Estava acostumado com os engates rápidos do JP, do Kraft e do Nexx e estranhei no início, mas a Bell arrumou uma solução que faz com que a cinta deslize com facilidade, tanto para abrir quanto para fechar. Parece que os engates rápidos são menos seguros e não possuem a aprovação dos selos de segurança DOT.

O ponto fraco fica para a "obrigatoriedade" de vestir o capacete com a cinta afivelada. É incômodo, mas é assim mesmo. Outra coisa. No primeiro rolé de 360 Km, as fivelas interna e externa trocaram de posição sozinhas, me obrigando a parar a moto para arrumar. Não aconteceu mais, mas é bom ficar de olho.

No quesito conforto em uso, ele passou no teste. Tem boa capacidade de atenuação dos ruídos mas permite que você ouça tudo o que ocorre à sua volta. Curioso é que atenua bastante o ruído do escape mas o barulho do vento incomoda um pouco. Certamente ele etua numa faixa de frequências que não abrange os ruidos do ar em movimento.

Também achei ele muito preso à cabeça mas pode ser aquele erro de comparação por estar acostumado ao JP. Após rodar uns 100 Km na estrada a 110 Km/h, senti uma pressão na parte frontal da cabeça, provavelmente causada pelo atrito do ar contra o capacete. Incomodou um pouco mas depois acostumei.

Para um teste de inverno passou. Que venha o verão de 40 graus no Rio para continuarmos o teste.

2 comentários:

Valla disse...

Da próxima vez bota uma gostosona como modelo.
Saludos,
Valla

Pedrão disse...

Vou fazer isso quando testar uma chaparreira. rsrs
Muchas gracias hermano Valla.
Pedrão