segunda-feira, 25 de julho de 2011

Impressões sobre o SESPT


Como disse na postagem anterior, instalei um mapa desenvolvido pelo pelo pessoal do Rio a partir de um mapa da HD de código 176AE106. Fui logo metendo a décima versão deste mapa que tem diversas modificações de "melhorias" que, para mim, não deram muito resultado.

A moto ficou nervosa, mas instável. O motor parecia brigar com o resto da moto e trabalhava em trancos como se não estivesse equilibrado. Em uma semana, por diversas vezes a moto morreu na marcha lenta e o consumo aumentou significativamente, chegando a 11 Km/l.

Com tais resultados fui mexer e a primeira coisa que fiz foi abandonar este mapa. Pluguei o computador na parada e após o SESPT identificar o VIN fui trabalhando a seleção de mapas sugeridos pela HD para aquele que mais se aproxima às características da minha Dyna. Isso porque o mapa 176AE106 foi configurado para escapamentos duplos shotgun e filtro SE, escape de corrida e ACR desabilitado. Não tinha nada a ver com minha moto.

Achei um bem parecido. O 176ST002, para Dyna 2007 a 2010, 1.580 cc Stage II, com filtro de ar SE, pistões e cabeçotes originais e, principalmente, escapes 2 em 1 com sensor de O2. Com este mapa no computa parti para as modificações que achava melhor para tropicalizar a regulagem de acordo com nossa gasolina com 25% de álcool.

Primeiro aumentei a VE (eficiência volumétrica) dos cilindros dianteiro e traseiro em 10% em todas as células.

Depois aumentei a mistura ar + combustível em 1 ponto, baixando os valores para 13,5 e 13,6 para as RPM mais baixas e 12,0 a 12,4 para as rotações mais altas.

Aumentei o combustível para partida deixando os injetores abertos por mais 8 ms acima de 64 graus de temperatura do motor para fazer a moto pegar mais fácil depois de quente.

Reduzi a marcha lenta para 800 RPM quando a temperatura do motor chegar a 48 graus.

Reduzi o combustível quando da desaceleração para acabar com os backfires, mas não foi suficiente. Na próxima mexida tiro mais combustível no retorno do acelerador.

ACR ligado.

RESULTADOS:

Os resultados foram muito bons, na verdade excelentes. A moto ficou equilibrada e a pegada ficou muito forte. Os backfires reduziram bastante (em altura e quantidade) mas ainda estão lá uns pequenos pipocos que quero acabar.

As arrancadas são contínuas, as retomadas fortes e a resposta ao acelerador está excelente. Basta uma pequena torção no cabo prá moto voar. A marcha lenta está um espetáculo! 800 RPM é show, um trote cadenciado que, no sinal, deixa os vizinhos admirados.

Ainda não tenho um resultado mas na primeira parcial a moto fez 14 Km/l. Não peguei estrada ainda mas a coisa tá boa demais.

Posto depois mais impressões e regulagens dos parâmetros do brinquedo. Mas não sei como consegui ficar tanto tempo sem esse troço...

Nenhum comentário: